inicio - Actividades

Dias Abertos 2004/2005

   A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa dispensa dois dias do seu ano lectivo à recepção de alunos de Escolas Secundárias com o objectivo de lhes dar a conhecer as diferentes ciências estudadas e leccionadas na Faculdade de Ciências. Estes dois dias são os Dias Abertos da Fcauldade de Ciências.

   Nos Dias Abertos os colegas das Escolas Secundárias são guiados pelos departamentos que escolheram visitar e podem assistir a demonstrações experimentais das diferentes aplicações das ciências.

   As Ciências Geofísicas, aplicação da Física ao estudo da Terra, tiveram experiências nas suas três áreas. As experiências de Meteorologia foram, este ano, ao ar livre e foram amavelmente emprestadas pelo IM, Instituto de Meteorologia, aos alunos da licenciatura de Ciências Geofísicas.

   No relvado do C8 esteve um balão cativo: balão em forma de zepelim preso a um fio e que tem anexado um sensor de temperatura. Este fio pode atingir um comprimento de 1000 metros o que permite elevar o balão cativo à altitudedesejada (inferior a 1000 metros), retirando os valores de temperatura do ar à altitude considerada e que são transmitidos directamente a um receptor fixo à superfície. O balão cativo é ideal para obter-se perfis verticais de temperatura (variação da temperatura com a altitude) no caso do sensor anexado ser de temperatura. Pode também ser anexado um sensor de humidade relativa do ar ou de pressão.

 


   A estação automática é um dispositivo experimental fixo à superfície e que consiste num conjunto de medidores das diferentes grandezas meteorológicas. A estação automática tem um anemómetro (medidor da intensidade do vento), um cata-vento (indicador da direcção do vento), um termómetro (medidor da temperatura do ar), higrómetro (medidor da humidade relativa do ar) e um pluviómetro (medidor da precipitação). Estes medidores podem ser ligados a um computador e permitem ter acesso às condições meteorológicas que caracterizam um determinado estado de tempo num determinado local.

   Os balões livres são lançados livremente para a atmosfera e normalmente têm anexado um sensor de temperatura que transmite via rádio para o receptor à superfície os valores que vai lendo nas diferentes altitudes a que se encontra. O receptor dá também a indicação do tempo de cada leitura desde o lançamento dos balões.

   O teodolito é um dispositivo experimental constituído por um sistema de lentes e duas escalas em graus indicado para obter valores da intensidade de vento. Ao lançar-se um balão podemos seguir a sua trajectória regulando as lentes do teodolito e obtemos os valores do azimute e do zénite do balão, que nos permite obter o valor da intensidade do vento se admitirmos que o balão sobe a uma velocidade constante.

   No relvado do C8 esteve também montada uma linha sísmica,Geofísica Interna, que consiste numa linha traçada à superfície constituída por geofones cravados no terreno igualmente espaçados. Há uma placa e uma marreta ligadas ao computador para que possamos obter o perfil vertical de impedâncias do solo. O solo é constituídos por diversas camadas geológicas em profundidade, camadas essas que têm diferentes valores de densidade. Ao dar uma marretada na placa, o sinal induzido para o terreno é reflectido ou transmitido sempre que há uma mudança de densidade, camada interior da Terra. Podemos obter os valores de impedâncias acústicas do terreno em profundidade medidos pelos geofones. Obtemos no computador o perfil vertical de impedâncias acústicas daquela região que é um indicador importante das características geológcas do terreno.

   No nterior no C8, houve demonstrações de Oceanografia. As experiências eram um tanque de ndas internas e um sistema de convecção oceânica. O tanque de ondas internas é um aquário em que se colocam dois fluidos de densidades bastante diferentes. O fluido mais denso mantém-se por baixo do menos denso. De seguida, passando um pedaço de cartão pela superfície do fluído menos denso (o que está acima) pode observar-se a geração de uma onda na interface dos dois fluídos. Ou seja, a energia gerada pelo movimento do cartão à superfície foi utilizada em grande parte para a geração de uma onda interna que tem pouca assinatura à superfície mas que é bastante visível nesta experiência.

   A convecção pôde ser observada em outro aquário que continha um só fluído e em que havia uma placa de aquecimento no fundo de um dos lados do aquário. Ao injectar um fluído com corante no fluído do aquário era observado o movimento ascendente do lado mais quente do aquário e o movimento descendente do lado mais frio do aquário gerando em escala pequena o que se pode chamar duas correntes, uma à superfície e outra em profundidade e upwellling e downwelling, ou seja, ascensão de água e descida de água, respectivamente.